MÚSICA

Espaço para divulgação do som do meu violão.

BANJ (maio de 2009) - na época comentei: "Resolvi largar o heavy metal e o rock elétrico. Não é o único caminho possível! Passei anos compondo no violão sonhando com o dia em que teria amplificador e pedal e cabos e caixa de retorno e.... não aconteceu. Do violão imitando a guitarra - riff acústico, riff falso que sonhava ser distorcido - migrei para o dedilhado e o acorde limpo. Hoje meu violão é um violão e se comporta como tal. Gravei, como prova e ferramenta contra o esquecimento, minhas composições no MP3. Cinco músicas eu escolhi, dentre umas 40. Elas seguem uma linha e são, no meu julgamento, as mais sinceras e "sozinhas" - autosuficientes - que eu compus".

1. Ninar
2. Banjo
3. Metropole
4. Clássica
5. Maranhão



RANJ (outubro de 2009) - na mesma linha do BANJ, compus ano passado na base do improviso. Mais seguro do que no primeira trabalho, mas ainda surpreso com o fato de conseguir dar início meio e fim à uma música. Foram compostas ao longo de meses, sendo uma colagem de vários pedaços. 
Caixa é uma colagem da coisas simples que juntas ficaram bem boas. Lembro do Lenine por algum motivo. Bomp foi algo mais esquisito: fui gravar uma outro e quando me vi tocando saiu algo diferente, que foi empolgando e no fim tornou-se outra música.
Clássica VII saiu do nada, de forma surpreendentemente natural. Levei alguns minutos da ideia ao registro.  
Tempos Aqueles foi a última a ser composta, muito tempo depois mesmo. Talvez até nesse ano, mas como ela soa antiga (mais próxima do que eu fazia no início) resolvi juntar com estas. Muito diferente ela.
Banjo II com o acompanhamento do Marden, no maior estilo "faz isso ó, que eu improviso numa base e um solo aqui". Eu faço o baixo e o solo, ele a base.

1. Caixa
2. Bomp
3. Clássica VII
4. Tempos Aqueles
5. Banjo II