domingo, 12 de abril de 2009

Geoturismo em Montevideo - parte 1

Fui a Montevidéu em abril desse ano de 2009 para o Encontro de Geografos da América Latina (o tal EGAL), mas como estava muito cara a compra do certificado, fui apenas para conhecer aquela cidade estrangeira. Viva o geoturismo (= saída de campo por conta)!!! Estudante de geografia não tem grana pra viajar e ao mesmo tempo pagar 50 dolares numa inscrição e ao mesmo tempo comer, tomar banho e qualquer outra coisa. Sem remorso, opto por fazer turismo do andar de ônibus de linha por aí, comer gordura na rua e andar muito a pé.

Um parentêse se abre para dica de viagem ou lembrete para mim mesmo: passei mal porque resolvi economizar em comida. Não coma gordura na rua todo dia!
Fiquei com meus pés cheios de bolhas por causa da infelicidade de andar de All Star: larga dessa rebeldia e compra um tênis decente! Fecha parentêse.

Gostei de lá. Principalmente do gosto neutro do povo quando o assunto é qualquer coisa: as roupas são na sua maoiria cinzas ou pretas, pinturas dos prédios discretas, não tem música a todo volume na rua e até o jeito de dançar é muito contido. Povo que gosta de sentar num banco na praça e conversar, sem muito barulho, sem gritos e sem roupas coloridas. No final de semana acontece uma coisa meio "briquedaredenção" de Porto Alegre.
O brique de Montevideo é muito interessante. O pessoal leva qualquer coisa de casa pra vender apenas pra participar daquele eventaço social. À venda coisas como Supernes, boca de fogão enferrujada, fita cassete, placa da Coca-Cola, placa de aviso "não pise na grama", vinil, livro, placa, quadro, parafuso, placa, placa, calota de carro, armário, roupa, cobra e um mapa pela metade. Comprei o mapa pela metade. Ele tem a metade sul do globo toda distorcida, com o Uruguai quase do tamanho do Brasil. Tri! A obra me custou 30 pesos! (3 reais).
O que mais me chamou a atenção, analisando todo o acontecido, foram as dicas inúteis de quem foi antes lá. Foi a primeira vez que eu sai do país e todas as dicas iam na linha "o melhor lugar pra gastar de dinheiro é..." em vez de "antes de mais nada: vai com bastante dinheiro?". Listo agora, didaticamente, minhas observações:
  • tudo quanto é museu (e olha que tem bastante) tu paga;
  • comida em restaurante é muito cara. Se for, fica em Hostel com cozinha;
  • câmbio é mais barato lá;
  • enche a cara num mercadinho 24hs fora da cidade velha e depois entra na cidade velha antes da meia noite pra conseguir passe "toda noite" nas boates. Ai tu entra nas boate, sai e enche a cara no mercadinho 24hs fora da cidade velha e volta pra cidade velha. Faz isso a noite inteira porque tu é jovem.
  • o pancho tu tem que comer pra dar risada do quão ridículo é aquilo.
  • fica hospedado longe da praça independência. As coisas vão ficando caras na direção dela.
Continua em forma de historinhas ...

3 comentários:

  1. Menino, que saudades!
    Faz tempo que tu não postas por aque e eu venho aque seguido pra ver se tens novidades.

    Eu sei, não fui ao Egal.
    E eu tbm sei, perdi.

    Algumas observações: Andar de All Star pode ser desconfortável mas, All Star é sempre style ;o)
    Outra coisa: adorei as dicas. Nada como pegar dicas com quem tem pouco dinheiro como eu. Rsss.

    Upa!

    ResponderExcluir
  2. Mano o que é riduculo é o hot dog brasileiro! Gostei de tudo a postagem, eu sou de la! Mas com o do pancho você ramelou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pancho. Falei mas comi muitos...hehehehehe de certa forma, me deu vontade de comer de novo agora que li o comentário : )

      Excluir